16 março 2010

h de campos

um papo sobre a semiótica
entrevista de irene machado com haroldo de campos:
http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/1086/711

o acaso

a poesia é
um acaso domado
e abolido na ocasião
do poema:
um caso de
acaso que se põe em
ocaso
colapsa
capitula
nas redes da ocasião
que faz o poema
um caso de
ocaso provisório pois
nada
nenhum lance de
dados
abolirá
(a não ser pelo breve
instante -
pênsil de um tal
vez e/ou poema)

Um comentário:

nai disse...

Foda!

Poesia é foda!!!